Festivais
O Festival Internacional de Cinema de Berlim, Alemanha

O Festival Internacional de Cinema de Berlim, Alemanha

Um pouco da história do Festival

Festival internacional de Cinema de Berlim (em alemão: Internationale Filmfestspiele Berlin, IFB), também conhecido como Berlinale, é um dos mais importantes festivais de cinema da Europa e do mundo. Ele acontece todos os anos em fevereiro na cidade de Berlim, e foi inaugurado em 1951 por uma iniciativa dos Estados Unidos, que ocupavam parte da cidade depois da segunda guerra mundial. Tinha como objetivo reerguer a cultura na Alemanha do pós-guerra e promover um encontro mundial de cinema.

Curiosamente, tudo começou durante o auge da Guerra Fria, em 1950, quando Oscar Martay, um diretor de cinema da Divisão de Serviço de Informação do Alto Comissariado Americano para a Alemanha com sede em Berlim, propôs a ideia de um festival de cinema na cidade. A proposta foi submetida a um comitê que incluía membros do Senado de Berlim e pessoas da indústria cinematográfica alemã em outubro de 1950.

Assim, a administração militar americana foi persuadida a ajudar e conceder empréstimos para os primeiros anos do Festival Internacional de Cinema de Berlim, que começou em junho de 1951 (depois passou a acontece no mês de fevereiro) com o historiador de cinema Alfred Bauer como seu primeiro diretor, cargo que ocupou até 1976. O filme “Rebecca”, de Alfred Hitchcock, abriu a primeira edição do Festival no Titiana-Palast em Steglitz em junho de 1951. Mas foi somente a partir de 1956 que o Urso de Ouro, prêmio máximo do festival, foi concedido oficialmente por um Júri Internacional. Antes disso o público escolhia os vencedores.

Oscar Martay, idealizador do Festival, e Alfred Bauer, primeiro Diretor

Características do Festival, primeira premiação e eventos variados

O Festival de Berlim, o Berlinale, sempre foi muito politizado, com espaço para cinema de vanguarda, independentes, filmes experimentais, encontros com jovens cineastas, homenagens cinematográficas e também um evento de ativismos sociais. Desde sempre foi muito badalado. Ele é considerado o Festival de Cinema que sempre teve mais público e com participação de uma variedade de países. Houve alguns problemas durante a Guerra Fria, onde o cinema do Leste Europeu, de países comunistas, foi discriminado.

Mas, com a queda do muro de Berlim em 1990 o Festival se diversificou e aumentou ainda mais a sua importância, inclusive com um mercado internacional de filmes, onde produtores, empresas variadas e diretores discutem e negociam o futuro do cinema.

Por incrível que possa parecer, o primeiro vencedor do Festival de Berlim foi o filme “Cinderela” de Walt Disney, em 1951. E foi o público que o escolheu.

O Festival é realizado no Berlinale Palast.

Primeiro cartaz do Festival e o filme “Cinderela”, 1951, primeiro vencedor do Urso de Ouro

Nos dias de hoje, O Festival de Berlim possui seis secções: Competição (grandes filmes internacionais), Panorama (filmes independentes), Kinderfilmfest (filmes para o público jovem), Perspektive Deutsches Kino (as novas produções alemãs), International Forum of New Cinema (filmes de países distantes e filmes experimentais) e Retrospetiva (dedicado a um realizador conceituado ou a um tema da história do cinema). Todos os anos também é realizada uma homenagem a um grande ator ou atriz de cinema.

Cenas históricas do Festival de Berlim

O Berlinale Palast, local do Festival de Berlim

A cidade de Berlim

Situada no nordeste da Alemanha, Berlim (em alemão Berlin) é a capital e um dos dezesseis estados do país. Com uma população de 3,5 milhões dentro de limites da cidade, é a maior cidade do país, e a sétima área urbana mais povoada da União Européia. Cerca de um terço da área da cidade é composto por florestas, parques, jardins, rios e lagos.

Berlim foi sucessivamente a capital do Reino da Prússia (1701-1918), do Império Alemão (1871-1918), da República de Veimar (1919-1933) e do Terceiro Reich (1933-1945). Após a Segunda Guerra Mundial, a cidade foi dividida: Berlim Oriental se tornou a capital da Alemanha Oriental, enquanto Berlim Ocidental se tornou uma parte do território da Alemanha Ocidental, cercada pelo muro de Berlim, entre os anos de 1961-1989; a cidade de Bonn tornou-se a capital da Alemanha Ocidental. Após a reunificação alemã em 1990, a cidade recuperou o seu estatuto como a capital da República Federal da Alemanha.

Berlim é uma cidade global e um dos mais influentes centros mundiais de cultura, política, mídia e ciência. A cidade serve como um importante centro do transporte continental e é a sede de algumas das mais importantes universidades, eventos esportivos, orquestras e museus. O rápido desenvolvimento da metrópole atraiu uma reputação internacional aos seus festivais, arquitetura contemporânea e vida noturna, sendo um grande centro turístico.

Atrações turísticas de Berlim: O Portão de Brandeburgo, a Catedral e a Torre de Alexanderplatz

Os principais prêmios do Festival

Os prêmios principais são chamados de Urso de Ouro e Urso de Prata sendo que o animal urso é um símbolo presente no brasão e na bandeira de Berlim. A estatueta foi criada pela artista Renée Sintenis. Existe também o prêmio Blue Angel para o Melhor Filme Europeu e o prêmio Alfred Bauer para o Melhor Primeiro Filme da Competição. O Festival tem um diretor geral e um Júri Internacional, este escolhido anualmente. Existe também o Urso de Ouro honorário, uma homenagem a grandes nomes do cinema.

O Urso de Ouro (em alemão Goldener Bär) é o prêmio de maior prestígio no Festival de Berlim e é um dos mais importantes e prestigiados prêmios de cinema do mundo. Desde 2007 também é entregue para o melhor curta-metragem do ano.  

Urso de Prata é um prêmio entregue pelo Festival de Berlim que inclui o “Prêmio Especial do Júri”, que pode ser considerado o “segundo melhor filme”. Os prêmios são: Melhor Diretor, Melhor Ator, Melhor Atriz, Melhor Roteiro, Melhor Curta-metragem, Excelente Contribuição Artística e Grand Prix do Júri (Prêmio Especial do Júri). 

O cinema brasileiro brilhou no Festival de Berlim

O Brasil ganhou seu primeiro troféu no Festival de Berlim em 1998, com “Central do Brasil”, de Walter Salles. Em 2008, “Tropa de Elite” de José Padilha trouxe novamente a estatueta para o Brasil.

O filme “Central do Brasil” é um comovente drama social sobre a relação entre uma professora aposentada que escreve cartas para clientes analfabetos na Estação Central do Rio de Janeiro e um garoto, órfão de mãe, que deseja conhecer seu pai. Essa improvável relação vai desenvolver uma história de muita emoção numa viagem pelo nordeste.

Já “Tropa de Elite” é um filme drama/policial que trata das operações especiais da polícia militar do Rio de Janeiro em incursões nos morros cariocas na guerra contra traficantes de drogas e suas quadrilhas, algo comum no dia a dia das favelas, e teve grande sucesso de público.

Três atrizes do cinema brasileiro conquistaram vitórias históricas com o Urso de Prata de atriz: Marcélia Cartaxo por “A Hora da Estrela”, em 1986, Ana Beatriz Nogueira, por “Vera”, em 1987, e Fernanda Montenegro por “Central do Brasil”, em 1998. Também conquistamos o Urso de Prata, equivalente ao segundo lugar da mostra competitiva, em 1978, com o filme “A Queda”, de Ruy Guerra e Nelson Xavier, e em 1990, com o filme “Ilha das Flores”, de Jorge Furtado.

Filmes brasileiros vencedores do Urso de Ouro no Festival de Berlim: “Central do Brasil”, 1998, e “Tropa de Elite”, 2008

O último vencedor do Festival de Berlim em 2021

O filme “Bad Luck Banging Or Loony Porn” (Traduzido para “Eu Não me Importo se Entrarmos para a História como Bárbaros”), dirigido pelo cineasta romeno Radu Jude, foi o último vencedor do Urso de Ouro no Festival de Berlim neste ano de 2021.

Trata-se de uma comédia ácida, despudorada, sobre a veiculação pela internet de um vídeo de sexo de um casal. A imprensa e a opinião pública transformam o infortúnio privado em um pesadelo público – agravado pelo fato da mulher do vídeo ser professora de uma escola respeitada. Eventualmente, uma reunião com os pais dos alunos acontece para decidir o futuro da magistrada. Uma curiosidade: Filmado durante a pandemia, os personagens atuam de máscara.

Filme “Eu não me Importo se Entrarmos para a História como Bárbaros”, vencedor em 2021 do Urso de Ouro no Festival de Berlim

Ótimos filmes vencedores do Urso de Ouro em Berlim! Assistam!

Doze Homens e uma Sentença, 1957 Direção: Sidney Lumet  
Morangos Silvestres, 1958 Direção: Ingmar Bergman
Os Primos, 1959 Direção: Claude Chabrol
A Noite, 1961 Direção: Michelangelo Antonioni
Alphaville, 1965 Direção: Jean-Luc Godard
Armadilha do Destino, 1966 Direção: Roman Polanski
O jardim dos Finzi Contini, 1971 Direção: Vittorio de Sica
Os Contos de Canterbury, 1972 Direção: Pier Paolo Pasolini
O Desespero de Verônica Voss, 1982 Direção: Reiner Werner Fassbinder
Muito Mais que um Crime, 1990 Direção: Costa Gavras
César Deve Morrer, 2012 Direção: Paolo e Vittorio Taviani
Táxi Teerã, 2015 Direção: Jafar Pahani

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *